.

chao

.

CENTRO ESPÍRITA É INCENDIADO DURANTE A MADRUGADA EM SOBRADINHO-DF

.

O Centro Espírita Chão de Flores localizado na Área Especial 14, na avenida principal de Sobradinho 2, foi incendiado na madrugada desta sexta-feira (29/1). As chamas tiveram início por volta das 2h45 e um homem, Valdecy de Lima Silva, de 24 anos ficou ferido e precisou ser levado ao Hospital Regional de Sobradinho (HRS). Ele sofreu queimaduras nos pés, no rosto e nos braços.

O Corpo de Bombeiros foi acionado. Equipes da corporação atuaram com três viaturas e 14 militares trabalharam no local até a extinção das chamas. De acordo com informações do CBMDF, houve queima parcial do espaço. Uma sala de costura que funcionava no local ficou completamente destruída pelo fogo. Ainda não se sabe a causa do incêndio. Os militares fizeram perícia no local. O resultado do laudo deve sair em 30 dias.
 
O assistente social responsável pelo local, Guilherme Varandas, disse que as causas do incêndio serão apontadas após a perícia. “Tinha sinais de arrombamento. Uma grade de uma das janelas estava arrebentada. Em dois anos, essa é a segunda vez que sofremos algum tipo de ataque”, lamenta. “Já fiz o registro da ocorrência na delegacia. Estamos muito tristes com tudo isso. Mas não vamos acabar com o nosso trabalho de caridade. Continuaremos com fé”, afirma.

.

chao1

.

A vizinha do lote, Tamires de Lima Silva Alves, 27, é irmã do jovem que se queimou no incêndio. “Acordei com um susto. Um dos meus irmãos gritou que o centro estava pegando fogo e corremos para tentar ajudar. O Valdecy pegou uma mangueira, mas, como as chamas estavam muito altas, acabou se queimando”, conta. Tamires mora no local há mais de 18 anos e afirmou que o local já havia sido invadido.
 
O crime ocorre uma semana depois de ser criada pelo Governo do Distrito Federal (GDF) a Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência. A medida foi tomada após uma sucessão de ataques contra terreiros de matrizes africanas, cuja soma atingiu 15 ocorrências em 2015. Por isso, em outubro, representantes de aproximadamente 50 terreiros do Distrito Federal e do Entorno estiveram na Câmara Legislativa, em audiência pública, para tentar preservar a religião africana.

.

chao2

.

Entre os pedidos deles estavam a nova unidade policial e a preservação da religião. Agora, compete à delegacia especializada registrar, investigar, abrir inquéritos e adotar os procedimentos necessários para resolver os crimes praticados contra pessoas, entidades ou patrimônios públicos ou privados, cuja motivação será a intolerância religiosa. 
 
Durante a solenidade que ocorreu no último dia 21 a presidente da Fundação Cultural Palmares, Cida Abreu, ressaltou que a medida representa uma vitória para o país. “Depois de 300 anos de luta, qualquer medida que combata o racismo e a intolerância é uma medida atrasada, mas não uma medida que não vem em um momento importante. Esse é um dia que representa a vitória de todo o país”, ressaltou. O caso vai ser investigado pela 35ª Delegacia de Polícia (Sobradinho 2). A unidade policial especializada só deve começar a funcionar nas próximas semanas.
.
.
chao3
.

.

brunooyellowCatilina, Catilina!!! Mas até quando Catilina??? Mas o que é isso? Será se voltamos ciclopicamente aos dias da Santa Inquisição? Estamos num Estado de Direito ou numa selva? Esta obscenidade ultramontana da Idade Média tem que ter consequências na esfera da justiça, que se punam os criminosos com a lei, isso é o que espera uma sociedade civilizada e devidamente constituídal

Todo o perdão do mundo aos nossos irmãos sem a luz do discernimento e que perpetraram tamanha selvageria, mas a impunidade seria um convite aberto a novos atentados de um bando de vândalos fanáticos ou seja lá quem for! 

Que Jesus nos abençoe e nos livre desse atavismo cruel!

Bruno Tavares

.

.

cerebro

.

.

A Mensagem de Hoje no Blog

.

.

abrunofclarablogbrilho

Francisco e Clarinha de Assis

Patronos deste Blog

fcc

.

.brunovg

carinhachn

.