.

setjcb

.

SUICIDIO: VEJA SE LHE INTERESSA

.

Leda Amaral era jovem e bonita quando a lepra a assaltou.

Rosto, mãos e pés ficaram deformados e a audição tornou-se reduzida. Os olhos ficaram sem luz, aos 17 anos.

Por que uma pessoa deficiente visual com os dedos insensíveis e que foi obrigada a aprender o Braille utilizando a ponta da língua, não fez a opção pelo suicídio?

Por que foi medalhista na Paralimpíada Espiritual?

Para que a pessoa viva na plena consciência da existência se faz necessário encontrar um sentido para a vida. O vazio existencial é encontrado no suicídio. [1] 

Como os espíritas podem trabalhar na prevenção?

Procurar informação, antes de tudo. Saber os números é importante, mas é preciso ir muito além deles.

O número de suicídio aumenta num país que tem pouca informação. [2]

.

ledaamarela1

.

Quando a infecção ainda não tinha cura, a “lepra” levava pessoas ao suicídio e eventualmente ao homicídio. Aquela senhora que recebeu esse diagnóstico, no caminho de casa comprou veneno e depois de ingeri-lo deu também a duas filhas, na primeira infância. O socorro médico não salvou as crianças. Triste saber que a doença era do polo tuberculóide, não contagiante.

Meu amigo, Amazonas Hércules adoeceu antes da existência dos quimioterápicos e antibióticos e chegou aos 91 anos. Tornou-se órfão de pai, antes do nascimento, e de mãe, antes de um ano. Como o tratamento elimina o contágio, tinha contato pessoal com as crianças. Tinha mãos imperfeitas, mas abençoadas, “porque adquiriu a noção justa da confiança em Deus.

Compreendeu que “dar-se a Cristo é trabalhar pelo estabelecimento de seu reino. Sendo forte no conhecimento, não  procurou repouso na indiferença ante os impositivos sagrados da luz acesa, pela infinita bondade do Cristo, em seu mundo íntimo.” Era alegre e ninguém o igualava naquela gargalhada, quando a piada lhe fazia cócegas no cérebro. Medalha de ouro do sorriso franco e aberto.

A muleta e a cadeira de rodas eram soluções. No entanto, onde ia fazer palestras, na ausência de elevador chegava ao salão muitas vezes carregado. A hanseníase pode levar à cegueira, mas ele não tinha essa herança “cármica”.

Por que Amazonas não pensou em suicídio?

De onde lhe vinha a “força estranha”, que o fazia lutar por seus sonhos? [3]

.

amazonash1.jpg

.

Nossos sonhos!

Quando comecei a fazer levantamento bibliográfico para a tese de mestrado fiquei encantado com o elevador do Castelo de Manguinhos. RJ.RJ., Instituto Oswaldo Cruz. IOC/Fiocruz.

 Achei-o antigo, mas pitoresco. Mal sabia que meus filhos teriam a mesma sensação diante da minha máquina de escrever portátil, que ganhara de presente de meus pais na adolescência.

A biblioteca do IOC era o máximo e encontrei feliz um artigo de revisão do assunto que eu pesquisava. Eu tinha aprendido, nas primeiras aulas do curso de graduação, que eles são escritos por especialistas da área e que nos poupava tempo, nesta vida tão corrida.

Nestes dias de prevenção “Setembro Amarelo” senti alegria quando recebi de uma ex-aluna, D. Sc. Thereza Cristina Ferreira Camello, um artigo sobre suicídio com o recadinho. “Veja se lhe interessa?”.

 Atendimento pré-hospitalar ao indivíduo com comportamento suicida: uma revisão integrativa”. Objetivou-se identificar as ações realizadas pelos profissionais de enfermagem, durante o atendimento pré-hospitalar, ao indivíduo com comportamento suicida. Trata-se de uma revisão integrativa. Após o exame de 4775 artigos, foram  encontradas 32 ações de enfermagem realizadas.

Após analise chegou-se à conclusão que devemos considerar importante que a equipe de enfermagem, gestores e sociedade voltem seu olhar para o tema a fim de aprimorar o atendimento e entendimento sobre o desejo de morte. [4]

.

setembromorte

.

E depois da morte?

Como se processou o atendimento na Colônia Nosso Lar, após o desencarne do médico André Luiz?

Após reparador repouso, diz André Luiz: energias novas tocavam-me o íntimo. Tinha a impressão de sorver a alegria da vida, a longos haustos. Na alma, apenas um ponto sombrio – a saudade do lar, o apego à família que ficara distante. Numerosas interrogações pairavam-me na mente, mas tão grande era a sensação de alívio que eu sossegava o espírito, longe de qualquer interpelação.

Quis levantar-me, gozar o espetáculo da Natureza cheia de brisas e de luz, mas não o consegui e concluí que, sem a cooperação magnética do enfermeiro, era impossível deixar o leito.

Não voltara a mim das surpresas consecutivas, quando se abriu a porta e vi entrar Clarêncio acompanhado por simpático desconhecido. Cumprimentaram-me, atenciosos, desejando-me paz. Meu benfeitor da véspera indagou do meu estado geral.

Sorridente, o velhinho amigo apresentou-me o companheiro. Tratava- se  do irmão Henrique de Luna, do Serviço de Assistência Médica da colônia espiritual. Trajado de branco, traços fisionômicos irradiando enorme simpatia, Henrique auscultou-me demoradamente, sorriu e explicou: é de lamentar que tenha vindo pelo suicídio.

.

alsui1

.

Suicídio? Creio haja engano – asseverei, melindrado -, meu regresso do mundo não teve essa causa. Lutei mais de quarenta dias, na Casa de Saúde, tentando vencer a morte. Sofri duas operações graves, devido a oclusão intestinal…
– Sim – esclareceu o médico mas a oclusão radicava-se em causas profundas. Talvez o amigo não tenha ponderado bastante. O organismo espiritual apresenta em si mesmo a história completa das ações praticadas no mundo.
E inclinando-se, atencioso, indicava determinados pontos do meu corpo:
– Vejamos a zona intestinal – exclamou. – A oclusão derivava de elementos cancerosos, e estes, por sua vez, de algumas leviandades do meu estimado irmão. A moléstia talvez não assumisse características tão graves, se o seu procedimento mental no planeta estivesse enquadrado nos princípios da fraternidade e da temperança.

Entretanto, seu modo especial de conviver, muita vez exasperado e sombrio, captava destruidoras vibrações naqueles que o ouviam. Nunca imaginou que a cólera fosse manancial de forças negativas para nós mesmos? A ausência de autodomínio; a inadvertência no trato com os semelhantes conduziam-no à esfera dos seres doentes e inferiores. Tal circunstância agravou, de muito, o seu estado físico.

Depois de longa pausa, em que me examinava atentamente, continuou:
– Já observou que seu fígado foi maltratado pela sua própria ação; que os rins foram esquecidos?
– Os órgãos do corpo somático possuem incalculáveis reservas, segundo os desígnios do Senhor. O meu amigo, no entanto, iludiu excelentes oportunidades, desperdiçados patrimônios preciosos da experiência física. Todo o aparelho gástrico foi destruído à custa de excessos de alimentação e bebidas alcoólicas, aparentemente sem importância. Devorou-lhe a sífilis energias essenciais. Como vê, o suicídio é incontestável. [5]

.

setdi.jpg

.

No trabalho de revisão, sobre atendimento pré-hospitalar ao indivíduo com comportamento suicida, há frase que ganha novo contorno se considerarmos que a morte do corpo não mata a vida. [6]

“Dentre os fatores que influenciam o comportamento suicida incluem-se os socioambientais, psicológicos e biológicos, cada um com um peso específico, entretanto , separadamente, nenhum deles pode ser suficiente para explicar tal atitude.”

Para André Luiz perante a nova visão espiritual só existia, agora, uma realidade torturante: era verdadeiramente um suicida, perdera o ensejo precioso da experiência humana, não passava de náufrago a quem se recolhia por caridade.

Jesus lecionou sobre a continuidade da vida, a imortalidade da alma, com a segurança de quem sabia que voltaria, para demonstrar em aula prática, a Tomé e outros.

.

setfeb

.

Referências do artigo:
[1] http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2016/08/atletas-deficiencias-provas-e-superacoes.htmlhttps://blogdobrunotavares.wordpress.com
/2016/08/29/atletas-deficiencias-provas-e-superacoes-bela-reflexao-as-vesperas-das-paralimpiadas/ 
[2] http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2015/09/o-suicidio-prevencao-e-o-centro-espirita.htmlhttp://paespirita.blogspot.com.br/2015/09/o-suicidio-prevencao-e-o-centro-espirita.html 
[3] http://orebate-jorgehessen.blogspot.com.br/2015/09/suicidio-e-resiliencia.htmlhttps://rinconespirita.wordpress.com/dr-luiz-carlos-formiga/
[4] SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. Abr.-Jun.;12(2):108-15, 2016. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/smad/v12n2/pt_07.pdf
[5] http://www.luzespirita.org.br/leitura/pdf/l25.pdf 
[6] SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. Abr.-Jun.;12(2):108-15, 2016. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/smad/v12n2/pt_07.pdf 

.

jyellow

* AS IMAGENS SÃO ESCOLHA E RESPONSABILIDADE 
DE BRUNO TAVARES

.

.

Luiz-Carlos-FormigaV  Luiz Carlos Formiga

Articulista do Blog do Bruno Tavares, articulista na divulgação da Doutrina Espirita , com contribuição em alguns jornais e revistas, no Brasil e em Portugal (Fraternidade – Lisboa). Realiza palestras em casas espíritas. Biomédico (1969) pela Faculdade de Ciências Médicas, Universidade do Estado da Guanabara (UERJ). Especialização em Microbiologia e Imunologia (1970), Mestrado (1974) eDoutorado (1979), no Instituto de Microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pedagogo, Licenciado pela A.E.S. São Judas Tadeu, R.J. Pósgraduação em Educação em Saúde, Especialização pelo Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, do Centro de Ciências da Saúde da UFRJ. Prêmio Uerj-Funarte, 1980. Concurso de monografia, com “A Universidade do Estado do Rio de Janeiro e a formação de recursos humanos para a área de saúde. Curso de Ciências Biológicas, Modalidade Médica”. Projeto Semana da Uerj, realizado pelo Departamento Cultural e Patrocinado pela FUNARTE. Prêmio Científico Enzilab/1991. Sociedade Brasileira de Patologia Clínica, sob patrocínio da Enzilab Hospitalar LTDA. Professor Adjunto da Faculdade de Ciências Médicas, UERJ e Professor Adjunto IV do Departamento de Microbiologia Médica do Instituto de Microbiologia da UFRJ. Foi Coordenador dos Cursos de Pósgraduação da Faculdade de Ciências Médicas da UERJ. Foi Coordenador do Centro de Referência Nacional de Difteria e outras Corinebacterioses, do Ministério da Saúde. Coordenador da Linha de Pesquisa – Corynebacterium diphtheriae. Síntese da linha de pesquisa: Formiga, L.C.D. 1985. New possibilities for Laboratory diagnosis of diphtheria. Brazilian J. Med. Biol. Res., 18:401-402. Casado. Quatro filhos.

.

.

brunooyellow Meus queridos amigos e irmãos, eis aqui mais um excelente artigo do confrade Luiz Carlos Formiga, desta vez sobre a problemática do suicídio e principalmente nesse mês de setembro quando uma campanha internacional de prevenção é disparada para todos os quadrantes do mundo. É como sempre falo, o suicídio é o naufrágio da existência, e o pior, o suicida quer entrar de penetra no plano espiritual sem ser convidado, daí as amargas consequências que advirão em torrentes de lágrimas, sofrimentos e desilusão.

Que Jesus abençoe a todos esses náufragos da vida para que estejam preparados para uma nova oportunidade reencarnatória e que seus exemplos sirvam-nos de profunda reflexão!

Que Jesus abençoe a todos nós!

Bruno Tavares

chverde1

.

setembrar

.

.

A MENSAGEM DE HOJE NO BLOG

.

 chverdec1

QUADRO DO PINTOR PERNAMBUCANO

ANTÔNIO CARLOS CASTANHA TAUA GOMES

abrunofclarablogbrilho

.

Francisco e Clarinha de Assis

Patronos deste Blog

.

fcc

.

.

.brunovg

carinhachn

.

.

cqchcc