.

.

.

JTRONO

.

Último livro da Bíblia, o “Apocalipse” de João tem constituído, através dos séculos, o grande campo de estudo para quantos se dedicam à interpretação dos textos de sentido oculto. Não há parte alguma do Velho ou Novo Testamento que apresente linguagem mais incompreensível; todavia, nenhum outro livro bíblico possui tantas e tão variadas explicações.

.

A Literatura Apocalíptica

 

Entre os judeus a literatura apocalíptica vicejou de forma especial entre os anos 200 a.C. e 200 A.D. Diferenciava-se da literatura profética, porque tratava mais dos acontecimentos futuros da Humanidade, através de uma linguagem simbólica de grande obscuridade, do que da transmissão de uma mensagem, como era o caso do profetismo, onde as imagens são, via de regra, simples e objetivas.

            Há um pensamento geral de que a literatura apocalíptica desenvolveu-se, em grande parte, como consequência do desespero em face da situação humana.

            Entre os muitos escritos apocalípticos podem ser mencionados os “Oráculos Sibilinos”, a “Assunção de Moisés”, o “Livro dos Jubileus”, as “Histórias de Adão e Eva”, o “Apocalipse de Abraão”, o “Apocalipse de Sofonias” e a “Oração de José”.

            Nenhum deles, contudo, conseguiu atrair para si tamanha atenção como o “Apocalipse” escrito por João, livro que ainda constitui o grande desafio para os estudiosos afeitos a semelhante literatura, em decorrência de seus textos de dificílima interpretação.

.

JOESCR

.

O “Apocalipse” de João

 

Apocalipse (do grego Apokalypsis) significa “revelação de coisas ocultas”.  A temática deste livro tem inspirado inúmeros ilustradores, citando-se, sobretudo, as miniaturas de S. Severo e as gravuras em madeira de Dürer.

            O livro foi escrito pelo apóstolo João (evangelista) quando este se encontrava em Patmos, uma pequena ilha rochosa do Mar Egeu. Não se pode, entretanto, determinar com precisão se o seu desterro ocorreu no reinado de Domiciano ou de Nero. De acordo com o Dr. Joseph Angus, em seu trabalho “História, Doutrina e Interpretação da Bíblia”, “a opinião geralmente aceita é que o autor da obra teve aquela maravilhosa visão pelos fins do reinado de Domiciano.  Mas – continua ele -, essa opinião citada por Eusébio e repetida em fins do terceiro século por Vitorino, bispo de Pettau, que escreveu o mais antigo comentário que existe sobre o “Apocalipse”, não concorda com a tradição preservada por Tertuliano (220 A.D.), por Jerônimo (378 A.D.) e outros escritores, e pela qual se afirma que João foi desterrado para aquela ilha no “reinado de Nero”.

            Emmanuel, na obra “A Caminho da Luz”, assim se pronuncia a respeito do “Apocalipse” de João:

            “Alguns anos antes de terminar o primeiro século, após o advento da nova doutrina, já as forças espirituais operam uma análise da situação amargurosa do mundo, em face do porvir. 

Sob a égide de Jesus, estabelecem novas linhas de progresso para a civilização, assinalando os traços iniciais dos países europeus dos tempos modernos. Roma já não representa, então, para o plano invisível, senão um foco infeccioso que é preciso neutralizar ou remover. Todas as dádivas do Alto haviam sido desprezadas pela cidade imperial, transformada num vesúvio de paixões e de esgotamentos. O Divino Mestre chama aos Espaços o Espírito João, que ainda se encontrava preso nos liames da Terra, e o Apóstolo, atônito e, aflito, lê a linguagem simbólica do invisível.

                Recomenda-lhe o Senhor que entregue os seus conhecimentos ao planeta como advertência a todas as nações e a todos os povos da Terra, e o velho Apóstolo de Patmos transmite aos seus discípulos as advertências extraordinárias do Apocalipse.

                Todos os fatos posteriores à existência de João estão ali previstos. É verdade que frequentemente a descrição apostólica penetra o terreno mais obscuro; vê-se que a sua expressão humana não pode copiar fielmente a expressão divina das suas visões de palpitante interesse para a história da Humanidade. As guerras, as nações futuras, os tormentos porvindouros, o comercialismo, as lutas ideológicas da civilização ocidental, estão ali pormenorizadamente entrevistos. E a figura mais dolorosa, ali relacionada, que ainda hoje se oferece à visão do mundo moderno, é bem aquela da igreja transviada de Roma, simbolizada na besta vestida de púrpura e embriagada com o sangue dos santos.”

            A leitura desta página – tirada da obra lançada em 1939 pela Federação Espírita Brasileira nos conduz ao seguinte posicionamento:

            – A elaboração do “Apocalipse” está circunscrita no século I da Era Cristã. Aliás, o Dr. Joseph Angus levanta duas épocas prováveis: ou 68 a 70 A.D. ou 95 a 96 A.D.

            – O fenômeno mediúnico que possibilitou a elaboração do livro na ilha de Patmos teve a supervisão do próprio Mestre.

            – Foi João o apóstolo que escreveu o último livro da Bíblia, apesar de algumas obras dizerem que o escrito é tradicionalmente atribuído a João, o que, na verdade, levanta certa dúvida no leitor. A “Grande Enciclopédia Delta Larousse” chega a afirmar que muitos estudiosos modernos entendem que João, o autor do livro, não era o mesmo que escrevera o Evangelho e as Cartas, ou seja, as três Epístolas, incluídas no Novo Testamento.

.

CLCX

.

            Na época de Eusébio, o historiador, responsável por várias obras, destacando-se “Questões e Soluções Concernentes à Paixão e Ressurreição do Salvador”, acreditava-se ser o “Apocalipse” atribuído a um outro João, contemporâneo do apóstolo, em Efeso. Mas os estudiosos do assunto consideram esta hipótese como “insustentável”. Como difícil de ser aceita – alegam – é a teoria de Vischer, discípulo de Harnack, segundo a qual o livro teve origem judaica, foi escrito em hebreu antes da destruição de Jerusalém, sofrendo depois interpolações diversas de acordo com as ideias cristãs e, muitas vezes, atendendo interesses particulares.  (Grifo nosso.)

            Mas, apesar do que tem sido exposto, pode-se afirmar que foi mesmo João o apóstolo que escreveu o último livro da Bíblia. Recorramos, agora, a um pequeno detalhe.

            Em “Pão Nosso”, trabalho ditado por Emmanuel a Francisco Cândido Xavier, no capítulo 122, “Pecado e pecador”, antes do comentário do autor espiritual, deparamo-nos com este versículo:

           “Amado, não sigas o mal, mas o bem. Quem faz o bem, é de Deus; mas quem faz o mal, não tem visto a Deus.”

            E logo a seguir: III João, 11, ou seja, Terceira Epístola de João, versículo 11. (Esta Epístola só tem um capítulo.)

            Na mensagem que comenta o referido versículo, há esta frase de Emmanuel que é para nós uma “chave”: “O evangelista (João) apresenta conceito justo.” (Grifo nosso.)

            Chega-se, pois, à evidência de que o João que escreveu o “Apocalipse” foi o mesmo que escreveu as Epístolas e um dos Evangelhos!

.

PNOSSO1

.

            Como se não fosse suficiente a palavra de Emmanuel, há características bem curiosas, as quais, sendo comuns às obras citadas, deixam perceber a existência de um único autor. Identifique-mos três apenas:

I – Concessão do título “palavra de Deus” a Jesus (“Apocalipse”, 19:13) – No Evangelho de João, 1 :1, nas traduções em português, o termo usado é Verbo. Na versão em Esperanto, vamos encontrar o termo vorto, o qual, consoante o “Grande Dicionário Esperanto-Português”, compilado pelo saudoso Prof. Ismael Gomes Braga, tem o sentido geral de palavra; vocábulo. (Para o sentido religioso a tradução será verbo. Já na Primeira Epístola de João, 1 :1, o termo usado é mesmo palavra.

II – Concessão do título “Cordeiro” a Jesus – Esta designação ocorre 26 vezes no “Apocalipse”; no Evangelho escrito por João, aparece em 1:29 e 36.

III – O desusado emprego, do termo sangues – Neste particular há uma interessante observação a se fazer. O Dr. Joseph Angus esclarece que no original grego a palavra usada é sangues (no plural), embora nas traduções feitas tenha-se tomado o termosangue, conforme se verifica em “Apocalipse”, 18:24, e no “Evangelho de João”, 1:13.

            Outros confrontos poderiam ser feitos. Por exemplo, com os termos vencer, verdadeiro, testemunho, a frase e os que o transpassaram, etc. Para os que desejarem colher maiores detalhes, duas obras são aconselhadas: a “Introduction to the New Testament”, vol. II, do Dr. S. Davidson e a “Introduction and Exposition of the Gospel of St. John”, do Dr. H. R. Reynolds, no “Pulpit Commentary”

.

APJOAO1

.

Conteúdo do Livro-Enigma

 Milton, o sempre lembrado autor de “O Paraíso Perdido”,- o descreve como “imagem majestosa de uma alta e imponente tragédia, encerrando e misturando as suas solenes cenas e atos, com o sétuplo coro de aleluias e sinfonias de harpa”.

            Emmanuel, na apreciação que faz sobre a obra afirma que “o Apocalipse de João tem singular importância para os destinos da Humanidade terrestre”.

            De uma forma muito genérica o livro pode ser dividido em duas partes. A primeira – capítulos

1 a 3 – refere-se às coisas que são. A segunda – capítulos 4 a 22 – compreende as coisas que hão de acontecer.

            Se se quiser estabelecer uma divisão mais minuciosa, pode-se dizer que a matéria está encerrada em sete partes:

1ª) as sete epístolas às sete igrejas;

2ª) os sete selos;

3ª) as sete trombetas ressonantes;

4ª) as sete figuras místicas: a mulher vestida de sol; o dragão vermelho; o filho da mulher; a primeira besta que saiu do mar; a segunda besta que se levantou da terra; o Cordeiro no monte de Sião e o semelhante ao Filho do Homem sobre a nuvem;

5′) o derramamento das sete taças;

6ª) a aniquilação dos inimigos da igreja;

7ª) as glórias da Cidade Santa, a Nova Jerusalém.

            Trata-se, conforme se pode observar pela leitura do livro, de uma série de visões, traduzidas por meio de imagens simbólicas e uma linguagem figurada.

.

SELOS

.

A Variedade das Interpretações

 

No passado, os que estudavam o “Apocalipse” agrupavam-se em torno de um dos seguintes Sistemas:

Praeterista – Admitia que grande parte das revelações contidas no “Apocalipse” já tinham acontecido. Eram partidários desta opinião Grocio, Hammond, Stuart, Hug, S. Davidson, Farrar, Wetstein, Eichhorn, De Wette, Ewald, Herder, Bleek e F. D. Maurice.

Histórico – Considerava as revelações como um delineamento dos grandes acontecimentos da História da Terra, desde os tempos apostólicos até o fim do mundo. Destacam-se neste sistema as figuras de Vitringa, Elliott e Bengel.

Futurista – Sustentava que os fatos previstos – em grande parte ou mesmo na sua totalidade – estão reservados para os últimos dias da Humanidade. Tinha a aquiescência de Maitland, Burg, W. Kelly e outros.

Espiritual ou Ideal– Considerava o livro uma descrição pitoresca do desenvolvimento dos grandiosos princípios que sempre se apresentam em constante conflito, embora sob várias formas e ecléticos no seu caráter. Adotavam este ponto de vista o Bispo Boyd Carpenter, o Prof. Milligan e o Arcediago Lee.

            Hoje em dia, não é fácil enumerar todas as interpretações existentes em torno dos textos do

“Apocalipse”. Elas divergem sensivelmente, consoante este ou aquele autor. A esse respeito o Dr. Joseph Angus é muito claro:

            “Na verdade, se um intérprete (Elliott) vê no sexto selo uma referência a Constantino, outro (Faber) diz que se trata de uma alusão à primeira Revolução Francesa; e, se Bengel vê na estrela que cai do céu um anjo bom, Elliott crê ser ela uma figura de Maomé. Os gafanhotos com o poder dos escorpiões, e que haviam de produzir grande calamidade por cinco meses, significam para Mede cento e cinquenta anos de domínio dos sarracenos, mas para Vitringa significam os godos e para Scherzer, os jesuítas.”

            O caso da besta apocalíptica, uma das figuras bem discutidas do livro de João, tem as mais variadas interpretações. Para os adeptos do Sistema Praeterista, o número simbólico 666 corresponderia ao valor numérico das letras hebraicas nas palavras Neron Cesar. O Arcediago Lee no seu livro “Speaker’s Commentary” acreditava que a besta apocalíptica seria realmente um infiel que haveria de dominar toda a extensão do velho império romano. Já Cairbar Schutel em um trabalho publicado em 1918 (“Interpretação Sintética do Apocalipse”) e Emmanuel em “A Caminho da Luz” (1939) transferem o símbolo do livro-enigma à figura central e dominante da Igreja Romana.

.

CSAPO

.

Dificuldade na Transmissão da Mensagem em Patmos

 

 Reportando-nos ainda à página de Emmanuel em “A Caminho da Luz”, observa-se que o querido autor espiritual não deixa de assinalar a dificuldade ocorrida com o sensitivo naquela ilha do Mar Egeu. Ele esclarece: 

            “É verdade que frequentemente a descrição apostólica penetra o terreno mais obscuro; vê-se que a sua expressão humana não pôde copiar fielmente a expressão divina das suas visões de palpitante interesse para a história da Humanidade.”

            Mas, por outro lado, poder-se-ia indagar: estariam os homens aptos a receber do apóstolo João a palavra divina em toda sua clareza? Que consequências adviriam de um relato inteiramente despido de alegorias?

            Chega-se, portanto, à conclusão de que tudo tem a sua devida época.

            “A verdade é filha do tempo” – afirmou Gellio, escritor e gramático latino.

            Porque são realmente características em todo o livro de João as instruções divinas e porque todas as suas partes têm um contínuo sabor de “enigmático”, o “Apocalipse” continuará a ser a grande motivação deste final de século, quando inúmeras transformações estão preconizadas, tanto pelos estudiosos encarnados, quanto pelos arautos do Além.

            No “Gênesis”, primeiro livro da “Bíblia”, observa-se a descrição do “paraíso perdido” e o afastamento do homem da “presença de Deus”; no “Apocalipse”, nota-se mais do que a conquista do “paraíso”: alcança-se, novamente, a comunhão com o Pai, que, de acordo com a revelação divina, jamais terá fim.

            E o livro de Malaquias, último Iivro do Velho Testamento, termina suas advertências com uma frase expressiva:

            – “E converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha e fira a terra com maldição.”

            Já as últimas palavras do “Apocalipse” são de cariciosa bênção:   “-A graça de Nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós.”

            Palavras que, no fecho deste trabalho, as tomamos para nós.

.

NCNT

* AS IMAGENS SÃO ESCOLHA E RESPONSABILIDADE 
DE BRUNO TAVARES

.

brunooyellowMeus queridos amigos e irmãos, eis aqui este artigo, absolutamente magistral, do eminente jurisconsulto das Minas Gerais, Dr. Kleber Halfeld (In Memorian), um dos maiores, senão o maior articulista espírita do Brasil.

Aqui, ele esflora de forma culta, mas clara e simples, sintetizando o seu saber, as questões tão intrincadas do vidente de Patmos, hauridas na revelação do Apocalipse, exatamente sobre a fase que a humanidade está a viver agora, da sua transição planetária.

O Dr. Kleber conseguiu tratar desta temática sem misticismo algum, sem descambar para pseudo-revelações escatológicas, mas como um mestre, foi desfiando a sabedoria deste Livro-Luz, revelação sublime de Jesus para toda a humanidade.

Que Jesus abençoe o Dr. Kleber Halfeld, aonde estiver receba a nossa gratidão por tudo que fez e continua a fazer pela nossa amada Doutrina Espírita. 

Que Jesus abençoe a todos nós!

Bruno Tavares

.

.

A MENSAGEM DE HOJE DE BRUNO

.

.

RENOVH

 

 .
.

 chverdec1

.

QUADRO DO PINTOR PERNAMBUCANO
ANTÔNIO CARLOS CASTANHA TAUA GOMES

bfcblog1

.

Francisco e Clarinha de Assis

Patronos deste Blog

.

fcc

.

.

cqchcc